DIVULGUE SEU NEGÓCIO AQUI!

DIVULGUE SEU NEGÓCIO AQUI!
WHATS (43) 9 9979-8834

sábado, 1 de fevereiro de 2020

O Comércio Exterior e as consequências do efeito “coronavírus”

*João Marcos Andrade
Os efeitos do coronavírus já são sentidos em boa parte do mundo. Além das vidas perdidas, o problema se estende também aos aspectos econômicos. 

As tratativas internacionais de comércio já estão sendo severamente atingidas em um curto espaço de tempo, por conta dos efeitos da globalização no Comércio Internacional. 

Um exemplo é o dos transportes internacionais, uma vez que os critérios de inspeção por órgãos sanitários dos países se acentuam e provocam revisões em procedimentos que há pouco eram tratados como rotina operacional e que agora precisam de novas práticas.

Qualquer negociação com regiões da China — especialmente na região de Wuhan, onde o surto da epidemia se destacou — já passam por processos de revisão, várias delas inclusive, canceladas, promovendo prejuízos e perdas significantes.

No setor dos transportes internacionais de cargas, tanto as companhias aéreas quanto os armadores marítimos já apresentam tarifas mais elevadas para cargas originárias da Ásia, especialmente da China. 

Além disso, por conta do coronavírus, o feriado do ano novo chinês que acabaria no dia 30 de janeiro foi prorrogado para o dia 3 de fevereiro, aumentando a inflação no momento de reservas de espaços em navios ou aeronaves em decorrência do acúmulo de cargas. 

Por tudo isso, o momento demanda maior esforço e energia de trabalho em todos os setores envolvidos que dependam de matérias-primas, ou mesmo produtos acabados, de origem do maior país asiático.

A cidade do “epicentro” do vírus concentra aproximadamente 230 das 500 maiores indústrias da China, o que naturalmente causa efeitos devastadores no fornecimento de materiais, pois as empresas que dependem de recursos de produção daquela região já estão sendo obrigadas a reformularem seus PCP’s (Planejamento e Controle da Produção), justamente pelos atrasos nos embarques.

Há incerteza quanto à volta e normalização das práticas logísticas, anteriormente tão comuns e ajustadas. 

O fato é que as bolsas de valores já sentem impactos muito pesados. A Bovespa, por exemplo, já operava em queda acentuada desde o dia 28 de janeiro. 

Porém, dois dias depois, segundo o Jornal Valor Econômico, já apresentava recuo de 2,12% em seu índice, descendo a 112.941 pontos e, claro, alavancando desconforto e gerando incertezas no mercado financeiro — fator nada salutar ao mercado em geral.

O câmbio também apresenta efeitos temerários com índices que podem alcançar a maior alta de cotação do real frente ao dólar americano na história, pois no dia 30, por volta das 12h50, a moeda americana operava em alta de 1,13%, cotada a R$ 4,2670. Pouco antes, no entanto, já havia alcançado R$ 4,2705 (dados também obtidos na edição on-line do Jornal Valor Econômico de 30/01/20).

A Anvisa adotou procedimentos padrões em casos de qualquer suspeita do vírus em tripulação de navios ou aeronaves vindas da China, com rigor bem elevado, inclusive impedindo ou paralisando as operações de navios para evitar qualquer propagação do vírus em casos de confirmação de sua presença em membros da tripulação.

As expectativas são de que o vírus seja contido o mais breve possível, tanto para estancar o terrível números de vítimas fatais — que já passam de 170, segundo o Jornal Valor Econômico — quanto para manifestar segurança à população mais afetada e a certeza de que todos os esforços são válidos para que o vírus seja exterminado, ou diminuído ao máximo, no menor tempo possível.

*
João Marcos Andrade é professor de Comércio Exterior e Global Trading no Centro Universitário Internacional Uninter.

terça-feira, 10 de dezembro de 2019

Primeira edição dos Jogos de Aventura e Natureza reúne 20 mil atletas

Os Jogos de Aventura e Natureza encerram a primeira edição com um balanço positivo. Mais de 20 mil atletas participaram das competições, realizadas em 26 municípios de diversas regiões do Estado. Além disso, oficinas e cursos levaram esporte às comunidades e escolas locais atendendo mais de 90 mil pessoas. Foto: Esporte Paraná

Os Jogos de Aventura e Natureza encerram a primeira edição com um balanço positivo. Mais de 20 mil atletas participaram das competições, realizadas em 26 municípios de diversas regiões do Estado. Além disso, oficinas e cursos levaram esporte às comunidades e escolas locais atendendo mais de 90 mil pessoas.

“Começamos com o pé direito, foi um sucesso”, afirma o governador Carlos Massa Ratinho Junior, que concebeu o projeto. Ratinho Junior destaca que a iniciativa retrata a estratégia do Governo do Estado de, por meio do esporte, intensificar o turismo sustentável e movimentar a economia do Estado.

“Nesta primeira edição todas as etapas foram muito boas. Cumprimos o objetivo de mexer com as regiões do Estado onde o turismo têm foco importante mas é pouco explorado e prestigiado”, disse ele. Os Jogos aconteceram no Litoral, nos municípios lindeiros ao lago de Itaipu (Oeste) e na região de Angra Doce (Norte Pioneiro)

O governador ressalta que no Litoral, por exemplo, os Jogos de Aventura e Natureza multiplicaram as reservas de restaurantes e hotéis locais. “A ideia é trazer turistas fora da época de veraneio e movimentar a economia local, gerar emprego e renda durante o ano todo”, afirma. “O calendário dos Jogos já está implantado e para as próximas edições vamos ampliar as cidades beneficiadas”

SHOWS E ESPETÁCULOS - Atletas e demais participantes dos Jogos lotaram hotéis e restaurantes das cidades que receberam a competição. Na abertura de todas as etapas, shows musicais e espetáculos culturais atraíram milhares de pessoas.
Iniciados em agosto e encerrados em novembro, no Litoral, os Jogos de Aventura e Natureza envolveram 30 modalidades esportivas diferentes das tradicionais, disputadas em locais com pouco fluxo turístico durante o período dos jogos.

"Os Jogos de Aventura e Natureza se consolidaram como indutores do turismo pelo esporte, da forma projetada pelo governador Ratinho Junior”, afirma o superintendente do Esporte do Paraná, Helio Wirbiski.

Ele enfatiza que as parcerias foram fundamentais para o sucesso da competição. “As federações viram a seriedade do projeto, aderiram e se envolveram na organização. Os atletas também entenderam que a inclusão por meio do incentivo à prática esportiva é muito importante para o estado.

E as regiões perceberam que o esporte pode ajudar as cidades a ficarem conhecidas e a desenvolver o turismo, especialmente na baixa temporada. O objetivo foi alcançado”, afirma.

PARA 2020 - O êxito da competição chamou a atenção de várias cidades e estados. Helio Wirbiski salienta que a consolidação e o sucesso dos Jogos de Aventura e Natureza tornou o Paraná referência na organização e realização de uma competição nesses moldes.

“Fomos procurados por 39 municípios que querem ser sede das competições no ano que vem. Dois Estados se interessaram e entraram em contato para saber como tudo foi feito”, afirma.

MODALIDADES – Fazem parte dos Jogos as modalidades Aquatlon, balonismo, beach soccer, beach tênis, BMX, bodyboarding, canoa havaiana, canoagem de velocidade, canoagem slalom, cicloturismo, corrida de aventura, corrida de turismo, cross country, escalada, futebol, futevôlei, handbeach, jipe, mountain bike, parapente, paraquedismo, pesca esportiva, rally, rugby, skate, slackline, stand up paddle, surf, vela, vôlei de praia e wakeboard.

REGIÕES - Os Jogos aconteceram de 10 a 18 de agosto no Litoral (1ª etapa). Em seguida, foram para os municípios lindeiros ao Lago de Itaipu (de 7 a 15 de setembro e depois de 28 de setembro a 06 de outubro). Entre 19 e 27 de outubro os Jogos voltaram ao Litoral e se encerraram na etapa de Angra Doce, realizada de 23 de novembro a 01 dezembro.

No total, as cinco etapas contemplaram os municípios de Antonina, Carlópolis, Diamante D´oeste, Entre Rios, Foz do Iguaçu, Guaíra, Guaraqueçaba, Guratuba, Itaipulândia, Jacarezinho, Marechal Cândido Rondon, Matinhos, Medianeira, Mercedes, Missal, Morretes, Paranaguá, Pato Bragado, Pontal do Paraná, Ribeirão Claro, Salto do Itararé, Santa Helena, Santa Terezinha do Itaipu, São José das Palmeiras, São Miguel do Iguaçu, Siqueira Campos e Terra Roxa.

segunda-feira, 25 de novembro de 2019

SHOW NACIONAL HOJE EM WENCESLAU BRAZ


Em comemoração ao aniversário da cidade, se apresenta hoje a noite no Espaço Chico uma das melhores duplas sertaneja da atualidade: Jeann e Julio. 
A entrada é gratuita.

A programação começou ontem com o Festival de Bandas e Fanfarras. Também já rolou o show da WB Banda e da Banda Europa. 

Amanhã, terça-feira, a programação chega ao fim com um desfile a partir das 9h, e a formatura do IFPR (Instituto Federal do Paraná) de Wenceslau Braz, às 19h30 na igreja Presbiteriana. 

As festividades de 84 anos de WB é uma realização da prefeitura de Wenceslau Braz com apoio da Copel, Sanepar e Fomento Paraná.


quarta-feira, 30 de outubro de 2019

PR 092 RECEBE MELHORIAS EM 75 KMS


A PR-092, de Wenceslau Braz até o entroncamento com a BR-153, em uma extensão de 75,27 quilômetros, está recebendo remendos e implantação de drenos.

Os serviços são no lote 6 do programa Conservação e Recuperação com Melhorias do Estado do Pavimento (Cremep) do Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER/PR), e atendem também os municípios de Siqueira Campos, Quatiguá e Joaquim Távora, todos no Norte Pioneiro.

 As melhorias começaram há dois meses e devem prosseguir até a metade do ano que vem.

“A PR-092 está contemplada no novo programa de concessões, e irá receber grandes obras a partir de 2021.

Enquanto isso o Governo do Paraná garante a manutenção da rodovia, trazendo segurança e conforto para as quase 60 mil pessoas que moram próximo a este trecho, facilitando o deslocamento, transporte da produção e acesso de turistas”, afirma o secretário estadual de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex.

Os serviços de remendos são executados para reparar buracos no pavimento. No caso de remendos superficiais é feito o corte ou fresagem do pavimento próximo ao buraco, limpeza, aplicação de pintura de ligação, seguida pela aplicação de Concreto Betuminoso Usinado a Quente (CBUQ) e compactação deste material.

 Em remendos profundos é feita também a correção da sub-base e/ou da base do pavimento com buracos, que pode ser feita com colocação de solo-cimento ou macadame seco, e brita graduada, antes da aplicação do CBUQ. Nos pontos em que o lençol freático está muito próximo à rodovia, ao lado das pistas são cavados drenos de 60 cm de profundidade por 15 cm de largura, preenchidos com material para drenagem e filtração e um tubo de polietileno de alta densidade, e depois fechados por uma camada de CBUQ.

O objetivo é rebaixar o nível das águas abaixo da superfície e preservar o pavimento. “Além de trabalhar no pavimento, com serviços que ficam óbvios para o usuário, os programas do DER fazem melhorias no sistema de drenagem das rodovias, com a instalação de drenos e o desconfinamento lateral do pavimento”, explica o diretor-geral do DER/PR, Fernando Furiatti.

 O Cremep prevê serviços de remendos superficiais e profundos, reperfilagem, microrrevestimento, melhorias no sistema de drenagem e na sinalização. Somente no lote 6 serão atendidos 347,15 quilômetros de estradas, um investimento de R$ 49,6 milhões.

 Nos trechos que já receberam os remendos, em breve serão iniciados os serviços de microrrevestimento asfáltico, empregado principalmente para selagem e impermeabilização do pavimento. 

Outro trecho da PR-092, entre Wenceslau Braz e Jaguariaíva, no centro-oeste, também está recebendo serviços atualmente, pelo lote 3 do programa.